sábado, 3 de agosto de 2013


No mar mais profundo havia um farol no alto do silêncio. Tal lugar era uma ilha. Toda ilha era a ruína de uma solidão. – Essa é a história de uma baleia que desistiu; aquietou-se entre vinte e duas ondas suaves e descansou. Por causa disso, três milhões de grãos de areia, duzentas conchas e uma reunião de algas marinhas se apiedaram do animal. Foram lhe fazer companhia da maneira que sabiam: deitaram-se junto a ela, protegeram-lhe do sol e da noite. Os grãos até contavam-lhe histórias sobre os piratas; eles que libertaram suas lágrimas dentro do oceano para que ninguém soubesse que choravam quando escurecia. Essas lágrimas viraram peixinhos adoráveis que também vieram ver a baleia. Pena que não se ouvia a voz dos grãos, afinal, eles eram pequenos demais para ela. Também não se ouvia a voz dos peixes. Eles não tinham cor, quase não tinham tamanho e ainda não haviam descoberto o propósito da voz.
A baleia virou uma ilha; uma ilha era uma ruína. A ruína de uma solidão desamparada. No alto da solidão, construíram um farol. Ele brilhou a noite, mais do que as estrelas que quase despencavam no mar mais profundo. Entre as vinte e duas ondas, ela desistiu. Foi sumindo e sumindo, até que grãos, conchas, algas e peixes invisíveis se aquietaram de vez.
Texto de Amanda Virgínia Torres
Postar um comentário