quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

O amolador de palavras



Não tem muito o que fazer, vai à livraria. Pega qualquer livro e lê e vê no gesto como uma chave para fechar-se, puxar por uma corda o som invisível das palavras e sair cantando tal qual sabiá sem gaiola. Muitos não o perturbam, não dá pelo rumor consumista de leitores bestsellados e não se perturba com o senhor, a senhora, a criança ou quem quer que seja ao lado, de frente, por cima dos ombros ou abaixo do joelho: vai sempre lendo como se fosse poltrona e leitor. Não tem tempo a perder, então fica mesmo em pé, abre o livro qualquer como flor e pólen e vai espalhando semente entre prateleira e estante. É o senhor amolador de palavras, porque não quer que nenhum livro fique com a lâmina cega – então testa cada um, biografia, conto, terror, artigo, catálogo de modas, o que vier traça. E cai feito traça que rói, sem roer, deixando o livro intacto e tátil – como desses insetos que pousam só a sombra, no jardim da livraria.


André Ricardo Aguiar


Postar um comentário